segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Os X-Men 12: A origem do Professor X!

"A origem do Professor X!"
(The X-Men 12, julho de 1965)

Roteiro: Stan Lee
Esboços: Jack Kirby
Desenhos: Alex Toth
Arte-final: Vince Colletta
Marvel Comics.

Conforme o assustado Cérebro acusou no final da edição anterior, a maior ameaça dos X-Men estava se aproximando da Mansão X, deixando a pobre máquina em pânico (!). Com o zumbido do aparelho, os X-Men entram na sala de Xavier e acabam descobrindo a respeito de Cérebro, algo que até então só Ciclope tinha conhecimento.

Numa evidente contradição, Xavier reafirma que Cérebro é uma máquina detectora de mutantes e o fato de ter detectado o Fanático, que NÃO é mutante, não passa despercebido pelo leitor. Pelo nível de ameaça que está prestes a adentrar no instituto, Xavier manda seus pupilos construírem armadilhas ao redor da escola e assim que eles terminam o serviço, ele começa a contar sua história.

Logo após o falecimento de seu pai (Brian Xavier) em uma explosão atômica experimental em Alamogordo, no Novo México, Xavier ganha um pai adotivo na figura de Kurt Marko, um pretensioso amigo de seu pai biológico que almejava sua fortuna. Tempos depois, ele se casa com a mãe de Chartes (Sharon) e todos se mudam para a mansão de seu falecido pai. Xavier sempre desconfiou da índole de Kurt.

Com o tempo, as intenções de Kurt Marko ficam mais evidentes, mas nada mais poderia ser feito já que ele e a mãe de Charles já estavam casados. Xavier também já havia começado a desenvolver naquela época seus dons de ler pensamentos alheios o que fez com que seu ódio por Kurt aumentasse cada vez mais. Estranhamente, Xavier usa terno quando está dentro de casa.

Um belo dia, chega o meio-irmão de Xavier, Cain Marko, filho de outro casamento de Kurt. Impregnado de uma genuína crueldade (existem pessoas assim de verdade, acreditem), Cain destrata Charles e logo depois chantageia seu pai pedindo dinheiro. Como este recusa o pedido do filho, Cain ameaça dizer a todos que não houve acidente algum na morte do pai de Xavier e que Kurt seria o responsável por tudo para ficar com a esposa do seu amigo e, conseqüentemente, sua fortuna (este o objetivo primordial).

Após uma discussão entre os dois, Xavier interfere dizendo que ouviu tudo e Cain acaba provocando um acidente ao misturar algumas substâncias em que seu pai trabalhava. Na explosão, Kurt leva os dois garotos para um lugar seguro, mas não resiste e morre. Suas últimas palavras foram que realmente houve um acidente na morte do pai de Xavier e que ele tome cuidado com relação aos seus poderes.

Com os poderes de Xavier sendo desenvolvidos cada vez mais ao longo de sua adolescência (e seus cabelos caindo na mesma proporção), ele começa a se destacar na escola e em eventos esportivos por trapacear lendo os pensamentos de seus oponentes. Cain Marko sente cada vez mais inveja do irmão. Assim, eles tem o seu primeiro embate físico.

Mesmo assim, Xavier insiste em ter uma boa relação afetiva com Cain e o deixa levá-lo à faculdade. Mas Cain acelera o carro e pede para que Xavier implore para parar. Isso acaba provocando um acidente , não sem antes Xavier salvar seu meio-irmão, utilizando-se de um comando mental para que este salte do carro antes da queda do veículo. Xavier não tem tempo de se salvar e acaba sendo salvo graças a um "escudo mental" (não me perguntem o que isso tem a ver com telepatia). Os X-Men perguntam se esse acidente tem algo a ver com a sua incapacidade de andar, o que Xavier responde que não (sua deficiência decorreu em um confronto com Lúcifer, conforme afirmado em X-Men 09).

Anos mais tarde, os dois servem na Guerra da Coréia e Cain Marko descobre o Templo Perdido de Cyttorak. Lá ele encontra um rubi e, ao ler a inscrição que nele consta, se tranforma no Fanático (Juggernaut, uma máquina de destruição em termos mais precisos). Mas o templo é bombardeado pelos comunistas e o Fanático ficaria soterrado por anos até se libertar e ir ao encontro do seu meio-irmão. E é o que ocorre nessa história.



Ao longo da edição, a origem de Xavier é intercalada com a ineficácia das armadilhas montadas pelos X-Men (os poucos minutos que o grupo teve para construí-las deve ter contribuído para isso). E até o final da história, não é mostrado de forma evidente a figura do Fanático. Stan Lee procura deixar um grande mistério por trás dessa ameaça, o que, de certa forma, acaba surtindo algum efeito.

Após as últimas tentativas de conter o Fanático, ele finalmente aparece e jura seu irmão de morte.

Ao contrário do que dizem sobre as primeiras histórias dos X-Men (muito criticadas, e não raras vezes, não sem razão), esta é uma das melhores histórias do grupo desta Era de Prata, quando lida conjuntamente com a edição seguinte, e conta com uma excelente origem para o Professor Xavier, que terá repercussão pelos anos que se seguiram nas aventuras dos X-Men. Definitivamente, Stan Lee acertou em cheio.

Jack Kirby fez apenas os esboços dessas edições de modo que os desenhos destoam um pouco do padrão que já estávamos acostumados. Mas seus esboços mantém a mesma estrutura de quadros e feição dos personagens. O leitor mais atento notará a diferença do estilo dos desenhos.

E esta história não conta com muitos absurdos, tirando novamente o pânico de Cérebro que apita como nunca.

Abraço a todos!

Primeira aparição: Fanático (Cain Marko).

8 comentários:

James Figueiredo disse...

X-Men desenhada pelo Alex Toth?? Disso eu não sabia!

Noturno disse...

Foi só essa edição James, até encotrarem o Werner Roth (que usou o pseudômino "Jay Gavin") para assumir a longo prazo.

Abraço!!

Joacas disse...

Gostei do detalhe... O Cérebro que apita como nunca.

Será que o "Fanático" não tem algo de mutante nele que ele gostaria de esconder?

White Ronin disse...

Aqui um dos meus personagens favoritos no X-universo: O Fanático, mais conhecido por aqui em "1900&TchapTchura" como "Jaganata"!!!

Sim! Como diríamos no MBB : "RIALTO" quando fiquei sabendo dessa "tradução"?! Uahahaha

Voltando ao assunto, curto demais Cain Marko e acho a inserção da personagem nos X-Men uma das poucas coisa descentes que o Chuck"BrinquedoAssassino"Austen fez pela franquia! Quem não gostou DEFINITIVAMENTE não entendeu!

Fanático era uma força da natureza que os X-Men só derrotavam depois de suar muuuuuito!

Taí outra estória que aguardo anciosamente pra ler!

Take care,

Zatanno Frost

Noturno disse...

Hahahaha.. "Jaganata".

Zatanno, eu definitivamnente então NÃO ENTENDI pois DETESTEI o Fanático nos X-Men. Não tem nada que o Austem fez que eu tenha gostado na sua passagem em Uncanny. Nada!

Abraço!!

White Ronin disse...

Nem do "Estrela Polar" na equipe, Noturno?

Pra mim as únicas "bolas dentro" do Austen foi a mudança do status quo do Fany e a entrada oficial do Jean-Paul na equipe!

A mudança de lado do Cain não foi forçada não, amiche! Uma explicação simples é que o tal "Cytorak" certamente influenciava malignamente seus "avatares"!

Take care,

Zatanno Frost

Noturno disse...

"Fany" hahahahahaha...

Zatanno, eu acho que o Estrela Polar deveria ficar na Tropa Alfa. Não acho que todo mutante bacana deveria se "graduar" a X-Man. Minha opinião apenas.

Penso que os integrantes originais da Tropa Alfa ainda podem gerar excelentes histórias juntos, como o Byrne comprovou quando lançou a revista.

Continuo achando que o Austen não fez nada de bom nos X-Men, mas ressalto que ele manteve o comportamento explosivo no Jean Paul na equipe, preservando a personalidade dele.

Abraço amiche!!!

Erick disse...

ALEX TOTH é fodaço!