quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

The Amazing Spider-Man 233-236: A Corporação Brand! (Parte 02)

The Amazing Spider-Man 233-236.

Roteiro: Roger Stern
Desenhos: John Romita Jr.
Arte-final: vários
Marvel Comics.

E agora segue a seqüência final da trama envolvendo a Corporação Brand.

"Onde está esse #$@% do Norton?"
(Amazing Spider-Man 233, outubro de 1982).

A história começa no Clarim, onde Jonah Jameson tenta usar o desaparecimento do informante Norton como forma de atingir o Homem-Aranha (já que ele apareceu no momento do ataque do Cobra, conforme visto na resenha passada). Todos ficam contra ele (Roobie, Ned Leeds e Marla Madison).

Peter vai ao Clarim procurar trabalho e lá Jameson oferece aos empregados do jornal um mil e quinhentos dólares para quem encontrar o informante Norton, também conhecido como o "Nariz". Parker se interessa pelo dinheiro porque está passando dificuldades (como sempre, heheh...).

De início, o Aranha vai a um bar e tenta descobrir onde está o "Nariz", mas acaba comprometendo uma infiltração policial ao pegar o cara errado (o policial infiltrado). Assim, ele pega o seu banquinho e sai de mansinho. Hehehe...



Em Miami, o vilão chamado Tarântula (Miguel Rodriguez) é contratado para matar "Nariz" Norton. Um dos informantes do contratante do Tarântula localiza Norton em um bar mal freqüentado de Staten Island. Entrementes, Ben Urich também descola a mesma informação.

O Homem-Aranha vê Urich correndo e acha que ele sabe de algo. Assim, ele decide segui-lo. Assim que aparece como Peter Parker para Ben Urich, os dois decidem ir juntos ao bar encontrar o "Nariz". Lá, eles encontram Norton e logo em seguida surge o Tarântula, que nocauteia Urich e pega Norton.

Enquanto o Homem-Aranha luta contra o Tarântula, Norton pensa que todos estão querendo matá-lo e aponta uma arma para Ben Urich.



Dois supostos "investigadores particulares" atiram em Norton, dizendo que ele reagiu mas que inicialmente o queriam vivo. Eles afirmam que Norton tinha segredos industriais da Corporação Brand. O Aranha desconfia de tudo, o Tarântula desaparece e Norton não morre com os tiros.

Em Boston, em uma das unidades da Corporação Brand, um ser misterioso adentra no recinto (é o "vilão" Fogo Fátuo que será revelado logo no início da próxima história, como veremos a seguir).

"É a hora do Fogo Fátuo ter sua vingança!"
(Amazing Spider-Man 234, novembro de 1982).



Fogo Fátuo tranforma-se numa bola de luz incandescente, vai até as engrenagens da unidade da Corporação Brand e manda tudo pelos ares.

Em Nova York, Peter Parker consegue vender suas fotos ("um pouco desfocadas"). Lá, ele vê pela TV a notícia sobre a explosão em Boston e se lembra do incidente em Nova Jersey envolvendo pela primeira vez a Corporação Brand, que ocorreu na revista Peter Parker: The Spectacular Spider-Man 57.



Na ocasião em que o Tarântula se recupera da luta contra o Aranha, ele é contatado por agentes do seu contratante que lhe prometem o poder para se tornar o "Homem-Aranha".

Peter vai a Universidade e descobre por meio de seu colega de pesquisas que a Corporação Brand está abrindo vagas para estágio. Usando esse motivo para investigar o caso, ele finge se interessar pela vaga. Na unidade, ele encontra o diretor executivo James Melvin (com quem ele já se cruzou em Spectacular 57), e sente sujeira no ar. Ele joga um rastreador em Melvin e o segue pela tubulação, agora já trajado como o Homem-Aranha.

Ele segue Melvin até um laboratório ultramoderno, local onde o Tarântula seria submetido à experiência que o tornaria o novo agente da Corporação Brand. Eles lhe aplicam o "soro da réplica aracnídea". O Aranha interfere e diz (na edição nacional):

"Ei, cientista maluco! Você não sabia que quando fizeram o Homem-Aranha jogaram a receita fora?"

Hehehe... Fogo Fátuo também aparece e tenta destruir tudo. Ele e o Aranha iniciam um confronto.



De repente, Fogo Fátuo é atingido por um tiro. O tanque onde se encontra o Tarântula se agita violentamente e dele surge... o Novo Tarântula!


"Criaturas Malditas"
(Amazing Spider-Man 235, dezembro de 1982).



O novo Tarântula, transformado em uma figura monstruosa, culpa o Aranha pelo acontecido (coitado do cabeça de teia, hehehe...) e os dois travam uma luta. Fogo Fátuo intervém e tentar matar o Tarântula.



A luta sai dos limites do edifício e os dois oponentes do Aranha supostamente afundaram na baía da Jamaica. O Aranha volta pra buscar sua câmera que havia registrado tudo (depois é mostrado que todas as fotos queimaram; que azarado, heheh...).

No Clarim, Jameson apresenta a Robbie, Leeds e Marla um agente do Departamento de Justiça que revela alguns segredos da Corporação Brand e da Companhia de Petróleo Roxxon, sua controladora. Ele quer pegar os cabeças da Brand e pede para que eles não façam nenhuma matéria a respeito, para o desgosto de Leeds.

O Homem-Aranha vai até a casa de Melvin, o diretor executivo, e lá ele observa uma conversa dele com o presidente da Roxxon (John T. Gamelin).

Fogo Fátuo aparece e conta usa origem. Ele é Jackson Arvad, que trabalhava arduamente pra Melvin no centro de pesquisas eletromagnéticas. De tanto trabalhar, certa vez ele pegou no sono e sofreu um acidente com a Câmara Magno. Melvin aproveitou a situação e o tornou um objeto de pesquisa.

O "vilão" Fogo Fátuo usa seus dons hipnóticos e pede um aperto de mão de Melvin (a fim de matá-lo).



Mas o Homem-Aranha aparece e os dois brigam. Até que, de repente, surge o Tarântula que aparece com Melvin supostamente morto nos seus braços... ou patas!


"Morte Sinistra"
(Amazing Spider-Man 236, janeiro de 1983).



O presidente da Roxxon (John T. Gamelin) pensa que o Tarântula matou Melvin, o diretor executivo. Ele assiste a tudo pela tela do seu computador (a mesma que ele usou para conversar com Melvin). Para tanto, ele aciona uma câmera para observar o que acontece na casa do diretor.

Lá, o Homem-Aranha conversa com Fogo Fátuo tentando impedi-lo de assassinar Melvin. Fogo diz que o Tarântula está sob seu controle. Mas o novo Tarântula escapa do estado hipnótico de Fogo e vê em Melvin sua nova presa. O Homem-Aranha salva Melvin levando-o para fora da casa.

Fogo Fátuo nocauteia o já descontrolado Tarântula. O presidente da Roxxon assiste tudo e contata uma pessoa chamada Senhor D'Angelo. Este manda Gamelin fazer uma "limpeza". O Tarântula foge.

O Homem-Aranha leva Melvin para cima de um prédio e lá Fogo Fátuo aparece para matá-lo. Os dois lutam e depois de o "vilão" ser derrotado, o Aranha tenta convencê-lo a falar com as autoridades e que a Justiça cuidaria do caso. Quando o leva pra se encontrar com Melvin, o Tarântula está no local tentando devorá-lo.

O Aranha luta com o Tarântula e, no mesmo momento, a Companhia Roxxon usa sua influência e interrompe uma reportagem de Geraldo (um famoso apresentador de TV dos Estados Unidos), que transmitia todo o ocorrido.

Enquanto o Homem-Aranha está ocupado com o Tarântula, Fogo Fátuo tenta matar Melvin mas se arrepende no último momento. Depois de finalmente descobrir que se transformou em um monstro, o Tarântula tenta matar Melvin, mas Fogo Fátuo o protege e o leva para a polícia.
Desesperado, ele pede para que o matem. Ele salta do prédio em direção aos policiais e eles atiram no Tarântula em uma cena comovente!

Melvin é forçado a confessar seus atos. Fogo Fátuo agradece o Aranha e diz que vai sair a procura de seu destino.

No final, Peter assiste no Clarim o presidente da Roxxon (Gamelin) dar uma declaração na TV se dizendo chocado com o ocorrido com os incidentes nas subsidiárias da empresa. Gamelin promete "investigar" as irregularidades pessoalmente (ele está envolvido nisso até o pescoço).

Parker diz a Robbie que tudo se resolveu, mas logo eles ouvem uma chamada na TV em que a Roxxon patrocina um programa, o que mostra ainda a força que a Corporação Brand possui.



C O M E N T Á R I O S :

Essa história procura colocar um ponto final no tema da Corporação Brand. Ela é recheada de cenas de ação, ao mesmo tempo em que conta com um bom conteúdo referente ao poder que uma corporação pode ter em todos os meios (inclusive, os de comunicação).

Peter Parker continua azarado como sempre, e é sempre bom vê-lo sempre passando por cima dos problemas do dia-a-dia. Observa-se que a revista Amazing Spider-Man não lida muito com as questões pessoais do herói, objetivo esse da sua revista irmã Peter Parker. Assim, basicamente as situações são colocadas de maneira muito dinâmica de maneira que Peter quase nunca tem tempo de "respirar" nessa revista.

Pessoas misteriosas, informantes, contratantes... tudo é mostrado como se resultasse em uma infinita teia de conexões (com o perdão do trocadilho) envolvendo a Corporação Brand. A experiência mal sucedida com o Tarântula foi muito bem explorada e seu sacrifício no final do arco, como disse acima, é emocionante (por mais que se trate de um vilão, senti pena de sua desgraça pessoal).

Também a redenção de Fogo Fátuo mostra os personagens podem ser tridimensionais quando bem trabalhados. Inseri aspas nessa história quando me refiro a ele como "vilão", sendo que sua verdadeira natureza nessa história mais se assemelha a um oponente circunstancial do Homem-Aranha.

Os coadjuvantes mantém-se os mesmos, encabeçados pelo editor-chefe do Clarim, Jonah Jameson, Joe Robertson, Ned Leeds e Marla Madison. Tia May e outros personagens, como já afirmei acima, seriam mais explorados na revista Peter Parker: The Spectacular Spider-Man. Inclusive, quando Tia May reaparecer nas histórias de Amazing, muita coisa já vai ter mudado desde a última vez que a vimos, como o fato dela já ter deixado o Asilo Lar Feliz (adorei o nome traduzido, heheh...) e voltado para sua casa. Mas isso será explicado sucintamente em outra oportunidade.

Apesar de ser dividida em quatro partes, a trama não parece em nenhum momento enrolar o leitor. Acredito que foi feita na medida certa e gostei bastante do resultado.

Com a questão resolvida (em termos) da Corporação Brand, no próximo arco de histórias veremos finalmente o surgimento do primeiro e mais interessante Duende Macabro!

Abraço a todos!

BAMF!

5 comentários:

flávio disse...

Roger Stern transformou um vilão numa aranha gigante...
...e foi tudo bacana?

ISSO SIM é escrito de verdade. Impressionante o quanto que acontece em cada edição, cada uma tendo um significado sozinha e repercutindo na próxima, sem muita enrolação.

Nos dias de hoje? Essa história teria durado não 6, mas 24 partes...

Noturno disse...

Cara, foi bacana sim mas em razão dessa Aranha em forma de monstro ter sido uma experiência mal sucedida da Brand Corp.

O Tarântula não passou de uma cobaia e no final se deu mal. E se levarmos em conta que ele foi contratado pelo tal Sr. Smith, da Brand, aí sim temos certeza de que sua morte (suicídio) sujou ainda mais de sangue a Brand/Roxxon. Muito bom mesmo!

Abraço!!

Pip disse...

Quanto tempo o Roger ficou à frente do titulo?

Noturno disse...

Escreveu integralmente (argumento e diálogos) até a 250 e escreveu somente o argumento da 251 e 252, sendo substituído pelo então editor do Homem-Aranha, Tom DeFalco que fez os diálogos dessas duas últimas edições aí citadas.

Abraço!!!

MAGUS disse...

Cara, eu gostava do Aranha, comprei a maioria dessas revistas em banca. Não lembro quando foi que deixei de gostar, o que foi que fizeram com o aranha...deu vontade de ler um formatinho.