sábado, 13 de dezembro de 2008

The Amazing Spider-Man 247-248: O menino que colecionava Homem-Aranha!

The Amazing Spider-Man 247-248.

Roteiro: Roger Stern
Desenhos: John Romita Jr.
Arte-final: John Romita Sr.
Marvel Comics.

"Interrupções"
(The Amazing Spider-Man 247, dezembro de 1983)

O Homem-Aranha encontra Norton, aquele informante de todo o imbróglio envolvendo a Corporação Brand. Ele quer saber sobre o Duende Macabro e pede para que, caso Norton descubra algo, ele o informe. Norton se sente aliviado pelo fato de o Homem-Aranha não estar sabendo nada sobre o seu "tesouro".

Logo depois, Peter vai a um almoço com Tia May e Anna Watson. Ele não conta pras duas que abandonou os estudos.

De repente surge Nathan com Mary Jane. May diz a Peter que ele deveria reconsiderar seu namoro com MJ.

Logo depois, o Homem-Aranha segue Norton (o herói havia colocado um rastreador em seu chapéu) até um prédio no Brooklin. Ele não percebe que ambos estão sendo vigiados.

Norton leva sua mercadoria para um grupo de homens. A mercadoria está dentro de uma caixa de trombone.

De repente as luzes se acendem e o Aranha, que espionava tudo, é descoberto. Ele briga com os homens quando de repente, não mais que de repente surge...

... o Homem-Sapo!

"Todo mundo parado! O Homem-Sapo está no caso!"





HAHAHAHAHAHA.... O Homem-Aranha diz para ele parar de pular, no que o Homem-Sapo responde: "Bem que eu gostaria... mas não consigo!" HAHAHAHAHA.... Muito bom! Ele perde os homens e dá uma bronca em Eugene (o alter ego do Homem-Sapo).

Em uma das fotos reveladas da negociação, Peter descobre onde vai acontecer o assalto. Mas ele não chega a tempo e da caixa de trombone há uma arma, que solta um raio de energia que desestabiliza um carro blindado que passava por uma grande avenida.

Ao final da história, do carro blindado é retirado um pé-de-cabra e uma corrente com uma esfera que se chocam e o vilão Maça, integrante da Gangue da Demolição, está de volta!





"E ele joga como uma bola de trovão"
(The Amazing Spider-Man 248, janeiro de 1984)




A suspeita de que não seria o Duende Macabro então se confirma. O Maça luta contra o Homem-Aranha e acaba matando seus próprios capangas.

O Maça pensa que conseguiu escapar e procura não se afastar do pé-de-cabra, objeto mágico que já pertenceu a outro vilão, o Destruidor.

Só que o Aranha aparece e tira a arma da mão dele. O vilão diz que a arma só funciona com algum membro da Gangue da Demolição. O herói joga uma enorme pedra no vilão, que é bloqueada por ele. O Aranha usa sua teia para bloquear a visão do Maça e, logo em seguida, usa o pé-de-cabra como cassetete. A luta chega até uma grande avenida, que é bloqueada. O Aranha procura se afastar do local para não causar maiores danos.

Os dois vão até uma rede elétrica, ocasião em que a polícia aparece e começa um tiroteio. O Maça bloqueia todos os tiros girando sua arma.




O Homem-Aranha finalmente o derrota usando a eletricidade de uma estação local. Quando as pessoas aparecem, o herói pensa que vai ser ovacionado. Mas na verdade eles brigam com ele por ter causado o maior engarrafamento da história de Long Island. Hehehe...

O Aranha deixa o local e pega uma carona na caçamba de um carro. Ele diz ao motorista, "Pra casa, James!" heheheh...


"O Menino que Colecionava Homem-Aranha"
(The Amazing Spider-Man 248, janeiro de 1984)

Este conto narra a história de um menino, Timothy (Tim) Harrison, que coleciona artigos e artefatos relacionados ao Homem-Aranha. Por meio de uma matéria jornalística escrita por Jacob Conover, o Homem-Aranha descobre que o menino gostaria muito de conhecê-lo e assim ele vai ao encontro do garoto.

Lá, eles conversam sobre a origem do herói e sobre o peso que o Aranha carrega depois de perder um ente querido e se sentir responsável por isso. Ao final, o menino pede para que ele revele sua identidade o que, depois de um momento de certa relutância, o herói acaba tirando sua máscara e se revelando como Peter Parker para o garoto.



Depois de se despedirem, a matéria jornalística mostra que o garoto tem leucemia e que possui somente algumas semanas de vida. O Homem-Aranha sai do centro clínico onde se encontra o garoto, abatido com o destino de Tim.




C O M E N T Á R I O S :

Mais uma vez, Roger Stern criou uma trama que não se relaciona com o Duende Macabro, o que, para mim, é ótimo! Assim, vemos mais um vilão clássico da Marvel, o Maça, enfrentar o herói aracnídeo numa história que envolve o personagem Norton, o narigudo que sabia demais a respeito da Corporação Brand.

As seqüências de ação ficaram muito bem elaboradas, com destaque no bloqueio das balas feitos por John Romita Jr. com o Maça girando sua corrente. Nota-se, então, que o ponto central da revista na época, era trazer ao leitor histórias cheias de ação onde o Homem-Aranha interagia com seus adversários de forma irônica, resultando em tramas divertidas e, de certo modo, interconectadas. E é exatamente assim que, na minha opinião, as coisas funcionavam bem.

Uma curiosidade apenas: John Romita Sr. nao foi creditado como arte-finalista da história na edição nacional, muito provavelmente porque o editor nacional não deve ter visto diferença nos nomes dos artistas envolvidos (o que muda é apenas um "S" no lugar de "J").

Mas o maior mérito da edição 248 da revista Amazing Spider-Man é a história "O menino que colecionava Homem-Aranha". É uma daquelas histórias em que, mais uma vez, o Homem-Aranha reconta sua origem e fala do peso na consciência por ter deixado o Tio Ben falecer. Mas aqui, a forma utilizada foi bastante feliz uma vez que a trágica lembrança do herói se encontra com a própria tragédia do garoto Tim, que possui somente algumas semanas de vida.

E é notável o autor da história (Stern) ter criado um menino de pouca idade fascinado com o Homem-Aranha. Ele vê no herói um símbolo de progresso, de luta e até mesmo de falhas (o garoto se mostrou muito adulto quando fala para o Aranha não se cobrar tanto). E tudo isso sabendo que não vai sobreviver para vivenciar muito daquilo que acredita!

E o destaque fica por conta mesmo da surpresa ao final da história. Até então, tudo parecia não passar de uma visita singela do Homem-Aranha a um garoto da cidade depois de ter lido uma matéria jornalística a respeito dele. O destino de Tim só é mostrado ao final, onde o leitor é pêgo de surpresa, e é exatamente aí, na última página, com o Aranha abatido saindo da clínica, que vem toda a emoção da história.

Inúmeras outras histórias já foram criadas como momentos dramáticos (no bom sentido) com o Homem-Aranha. O autor que mais fez histórias nesse estilo recentemente foi Paul Jenkins, quando assumia um dos títulos do herói aracnídeo. Este autor foi responsável por alguns belos contos e "O menino que colecionava Homem-Aranha" muito provavelmente o serviu de inspiração.

"O menino..." serve então como um momento de reflexão acerca de aspectos envolvendo admiração, esperança, bondade e, não menos importante, um escritor inspirado!

Na próxima e última resenha de Amazing Spider-Man por Roger Stern e John Romita Jr., veremos a "conclusão" envolvendo o mistério do Duende Macabro!

Abraço!

BAMF!

4 comentários:

MAGUS disse...

ganhei no amigo secreto desse ano a Mavel 40 anos e assim que cheguei em casa reli "o menino que colecionava Homem-Aranha"; e pensar que li essa história pela primeira vez quando era um moleque como o timothy, agora vou poder guardá-la para meu filho ler também.

DNKS disse...

O legal do seu trabalho é esse, poder relembrar grandes momentos do personagem e essa história é, realmente, uma das mais emocionantes.

Noturno, se valer a dica, seria massa relembrar as hilárias histórias do Aranha às voltas com o Homem-Sapo, Groxo e o Garoto-Aranha, numa fase produzida pelo Peter David e desenhada pelo Sal Buscema

abraço

Pip disse...

Muito emocionante essa história, será que ganhou algum prêmio?

Noturno disse...

Amigos, meu irmão está aqui em casa. Amanhã faço a última postagem que aliás já está pronta desde hoje cedo, só que tenho que dar atenção pra ele aqui em SP.

Abraço!!